Rumo à Escandinávia

Maria e Rosalina, as gêmeas siamesas - história apresentada em "Equal", work in progress da Casa das Fases

Companhia de Teatro Casa das Fases vai apresentar duas peças no festival Rustfritt, na Noruega

Fábio Luporini

Santo de casa não faz milagres, já dizia o ditado. Tanto é verdade que a Companhia de Teatro Casa das Fases se apresenta mais fora de Londrina que na própria cidade onde o grupo nasceu. A próxima empreitada destes experientes atores será na Noruega, em fevereiro. Será a quarta viagem internacional do grupo, que foi convidado desta vez para ministrar workshops em casas de reabilitação de homens e mulheres na terceira idade, além de apresentar duas peças no novo festival de artes cênicas daquele país, o Rustfritt.

“A gente tem 25 anos de trabalho e fomos uma referência para eles”, conta o produtor do grupo, Fabrício Borges. De acordo com ele, o convite surgiu a partir da amizade que se formou em outra viagem, em 2009, durante apresentações em outro país europeu. “Quando fomos para a Dinamarca fizemos muitos contatos. Lá eles têm uma política muito séria para os idosos. E o Rustfritt será um festival de teatro voltado para o idoso”, explica.
Uma das propostas será justamente realizar workshops em um centro de reabilitação para idosos.

O festival propriamente ocorre entre os dias 16 e 18 de fevereiro. Entretanto, o grupo embarca já no dia 8 de fevereiro e volta somente em 22 do mesmo mês. Durante o evento, serão apresentadas duas peças: Igual e Para dores femininas. Neste último, os atores utilizam uma caixa preta e apresentam uma pequena encenação para uma pessoa em aproximadamente cinco minutos. “Nós apresentamos dentro da caixa preta”, explica Borges. Digamos que o grupo já tem tecnologia para uma turnê na Europa.

Caixa preta
Quando esteve na Dinamarca, uma estrutura metálica de quatro metros de altura por quatro metros de comprimento foi construída para abrigar o espetáculo. A caixa preta ficou por lá, impossibilitada de cruzar o oceano. “Temos a nossa própria estrutura na Dinamarca. Agora ela vai para a Noruega. E agente tem outras propostas teatrais”, conta Borges. O espetáculo já foi apresentado em Londrina, no Calçadão. “É para ser apresentado em praças e locais públicos”, afirma o produtor.

Com um longo caminho de estrada, o grupo criado em 1986 – e que está completando 25 anos em 2011 – estimula a relação entre gerações. A maioria dos 12 atores é de pessoas que já chegaram na chamada melhor idade. Nove estão nesta fase. De qualquer forma, os idosos contribuem para a montagem das peças, seja emprestando seus movimentos aos personagens ou contribuindo na pesquisa. “Nosso público principal é o idoso porque a gente trabalha a memória e a história. Senão está em cena, o idoso participa da pesquisa”, aponta.

Requisitado no exterior, o grupo sente a falta de apoio dentro de casa. “Engraçado que a gente tem mais coisa pra fazer fora da cidade. Nosso último espetáculo foi Iemanjá de São Saruê, no Festival Internacional de Londrina (Filo) do ano passado. Depois disso fomos para São Paulo e outras coisas e não apresentamos mais aqui”, reclamou. O grupo está na Rua Lindóia, 546, Jardim San Remo. Informações pelo telefone 3304-8757 ou pela internet: http://www.casadasfases.wordpress.com.

publicado dia 20/1/2010

http://www.jornaldelondrina.com.br/edicaododia/conteudo.phtml?id=1088365

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s