A Storm in a tea cup

Lillian de Luca - Estudos para a personagem Ariel

A Casa das Fases participa no dia 3/4 da performance “A Storm in a Tea Cup”, promovida pela “sister company” Entelechy Arts.

As Cias realizam vários projetos em parceria, que resultarão na montagem da peça “A Tempestade”. Na apresentação do dia 3, serão mostrados alguns estudos de cena criados entre os diretores João Henrique Bernardi e David Slater para o texto de Shakespeare.

As imagens foram produzidas para o cartaz da apresentação que será realizada no “The Albany”, no Sul de Londres.

Maiores informações no site  http://www.entelechyarts.org/

Anúncios

Casa participa de forum shakespeare no RJ e recebe Entelechy em Londrina

O grupo teatral da Casa das Fases participa de 20 a 23 de novembro do Forum Shakeaspere no Rio de Janeiro. O encontro é uma iniciativa do People’s Palace Projects com patrocínio do British Council e faz parte das celebrações dos 25 anos do Grupo Nós do Morro e da Casa das Fases.

A Casa das Fases foi criada em 1986 em Londrina pelo diretor João Henrique Bernardi. Atualmente o grupo é formado por 10 atrizes com mais de 60 anos que realizam projetos ligados ao teatro e ao envelhecimento. A Companhia apresentou-se em seis países e diversas cidades do Brasil.

Dentro da programação do Fórum, a Casa das Fases e sua “companhia-irmã” Entelechy Arts, de Londres, participam de um workshop com Cicely Berry, da  Royal Shakespeare Company (RSC), uma das mais prestigiadas companhias teatrais britânicas do mundo. Um dos objetivos do encontro é trabalhar trechos da peça “A Tempestade”.  Os grupos planejam reunir os atores brasileiros e ingleses, que encenarão uma das últimas peças escritas por Shakeaspere.

No dia 23 de novembro, todos se reúnem para uma apresentação e um debate no teatro da Academia Brasileira de Letras, integrando os atores do  Nós do Morro, Casa e Entelechy.

Em seguida, de 24 a 28 de novembro, o grupo Entelechy viaja para Londrina para um intercâmbio  com ensaios, confraternizações e reuniões para definir as etapas da montagem.

Casa das Fases participa de Forum Shakespeare na Academia Brasileira de Letras no RJ

Academia Brasileira de Letras, em parceria com o British Council e People´s Palace Projects, sedia e apresenta o “Fórum Shakespeare”, uma tarde de aulas de mestre (master classes) ministradas por Cicely Berry e Justin Audibert, da Royal Shakespeare Company, Londres (RSC), para atores dos grupos teatrais.

Na ocasião, participarão os grupos teatrais Nós do Morro (Rio de Janeiro), Cia de Theatro Casa das Fases (Londrina) e Entelechy Arts (Londres).

Ao final, uma mesa-redonda discute sobre Shakespeare e o teatro no Brasil, coordenada por Paulo Heritage e integrada por Cicely Berry (RSC), Justin Audibert (RSC), Paul Heritage (PPP, Queen Mary University of London), Guti Fraga (Nós do Morro), João Henrique Bernardi (Cia de Theatro Casa das Fases) e David Slater (Entelechy Arts).

Para participar, é necessário inscrição através do e-mail participe@academia.org.br, informando nome e telefone de contato, ou pelo telefone 3974-2526.

O evento será realizado no dia 23 de novembro, quarta-feira, a partir das 17h às 19h, no Teatro R. Magalhães Jr..

http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=12566&sid=727

Maturidade a servico do teatro

Cia. Casa das Fases exporta método de trabalho com a terceira idade

FABRÍCIO ADDÊO RAMOS, ESPECIAL PARA O ESTADO – O Estado de S.Paulo

O reconhecimento internacional do trabalho com atores da terceira idade leva uma companhia de Londrina, no Paraná, a realizar intercâmbio duradouro com organização do Reino Unido.

Casa das Fases é um núcleo de trabalho da Companhia de Theatro Fase 3 de Londrina. Completando 25 anos agora em novembro, a trupe comemora a maturidade exportando suas metodologias de trabalho. Com destaque para o projeto iniciado em agosto no Brasil e setembro no Reino Unido que será concluído com a montagem de A Tempestade, de Willian Shakespeare, no Brasil e no Reino Unido em 2013.

O intercâmbio inclui a produção de um cabaré virtual realizado simultaneamente nas duas companhias e transmitido pela internet. O projeto conta com a parceria de um dos grupos de teatro mais tradicionais do mundo, como relata o diretor da Casa das Fases, João Henrique Bernardi. “O diretor da Entelechy Arts, David Slater, realizou algumas reuniões com representantes da Royal Shakespeare Company e nosso projeto foi aceito.

leia a matéria na íntegra :

 http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,maturidade-a-servico-do-teatro,777248,0.htm

Pontos de Contato – Brasil e Reino Unido

Durante 15 dias, o diretor João Henrique e diversos artistas de Pontos de Cultura do Brasil tiveram a oportunidade de realizar um intercâmbio cultural com grupos de artistas ingleses. A Casa das Fases iniciou uma troca com o grupo do sul de Londres, o Entelechy. Reproduzimos abaixo, as falas de David Slater – diretor do Entelechys Arts e de João Henrique Bernardi – PC Casa das Fases, que encerraram o encontro, promovido no Reino Unido.

Slater (UK) foto: Ratão

“Entelechy ‘s meetings, conversations and encounters with Casa Das Fases has re-energised us as a company. It has given us the courage to re-imagine ourselves; the courage to place ‘the human’ at the centre of all that we do.

Ricocheting  from the visit there have been three ideas:-

In Brazil we learnt of the process of ‘uncovering’ . In London we have started that process in our own neighbourhoods, building connections with invisible and isolated groups people meeting desperate for connection, recognition and new experience. We have the courage to embark on these adventures both knowing and not knowing what we are doing: the process of ‘deep hanging out’ Listening, absorbing, finding connection.  And so our creative family grows new voices and networks are woven into the journey.

The Brazilian exchange has made us think more about ideas of ownership and belonging. In strategic meetings with our members we have swapped the flip carts for rice and chicken. Creative planning and policy is increasingly fixed over communal meals-groups contribute both ideas and food. It has reconnected us with the domestic; with the everyday. This has dramatically increased participants capacity/ their agency to articulate, to champion and advocate for the practice. Our elders company now engage in face to face meetings with funders. They have raised 65k in the last 6 months.

Most importantly we have exchanged ways of working – We bought a methodology back from Brazil; a simple and beautiful idea. Little Boxes of Memories. A shoe box, transformed, hangs around a person’s neck . The box contains objects; the objects embody fragments of a narrative, a episode, an experience in the tellers life. I used the box to tell the story of my own journey to Brazil. Our elders company made their boxes and walked out with their stories to schools, old people’s groups, to the Southbank centre. We swapped experiences with elders in Londrina, photographs of London and Londrina. Shared points of contact, currency and exchange.

From Casa das Fases we have learnt a new language: new terms for collaboration and engagement. Our companies have flirted together. We have started to date. We are now walking out together. So we arrive at this dangerous point: the conversation about commitment. We can see a future. We have plans. We have been exploring ways of using digital technology to enable 80 yr olds in Londrina to work creatively making new art works with 80 yr olds in London. We are planning a joint production of The Tempest. Already company members are having detailed negotiations with their cardiologists about safe routes from Heathrow to Rio. Of course it’s early stages. But it has begun. The first words that greeted me in Londrina were: “Welcome to our dream”.  So for Entelechy and Casa Das Fases the Points of Contact programme between Londrina and London has created a new dream; a shared dream. The journey continues”.

(David Slater 17/10/2010)


Bernardi (Brasil) foto:Ratão

“Humanidade, este trabalho dos Pontos de Contato.

De repente éramos estranhos, de repente não somos mais, estamos contactados. Teia, troca, (feed back). Nos tornamos os novos “antropófagos”, nos alimentamos e nos oferecemos como um banquete, idéias, visões e sonhos.

Quem nos percebesse correndo por aí, poderia nos chamar de loucos. Mas, acima de tudo loucos de paixão pela arte salvadora. Salvar a humanidade e a resistência de ser humano é um longo caminho, mas como não o fazer. Se os olhos brilham, se os braços são quentes, as pernas querem chegar e até antes.

Porém, meus caros, há dor e haverá tempestades, estaremos ora à deriva, ora em pelo gozo da terra firme.  Assim é a coisa de viver. Ânima necessita de liberdade, que depois disso tudo, que já não tem volta, façamos a revolução dos “diferentes iguais” .

(João Henrique Bernardi, 17/10/2010)

Casa das Fases and Entelechy: the boat adventure.

David Slater, Diretor do Entelechys Arts, organizou um agitado e emocionate plano de trabalho para a residência artística do diretor da Casa, João Henrique.

Na foto, os atores de David apresentam a performance “The Big Chair Dance” em um barco pelo rio Tâmisa em Londres para o artistas e convidados do Programa Pontos de Contato .

Pontos de Cultura na Inglaterra

A experiência dos Pontos de Cultura foi apresentada à comunidade inglesa, com a participação do secretario de Cidadania Cultural, SCC/MinC, TT Catalão, outras autoridades e integrantes de Pontos de Cultura, no Festival Brazil.

O Festival ocorre no South Bank Centre, um dos maiores centros culturais europeus, em Londres (Inglaterra), até 5 de setembro, com ampla programação.

Em matéria publicada no jornal “The Guardian”, o projeto dos Pontos de Cultura foi destacado como “o que o Brasil tem para ensinar aos britânicos sobre arte” e “idéia audaz que fortalece as comunidades”.

Entre as palestras do Festival, na quarta-feira 21,  a mesa “O Ponto de Cultura: Imaginação à Serviço do Povo” desvelou o trabalho de criação de uma rede social de projetos culturais, o que caracteriza o trabalho desenvolvido pelos Pontos de Cultura.

Pontos de Contato

O secretário TT Catalão participou da mesa, com o diretor do Centro de Programas Integrados da Funarte, Tadeu di Pietro; o professor e diretor da ONG People’s Palace Project, Paul Heritage; e outros convidados. Heritage é parceiro dos Pontos de Cultura e promove intercâmbio cultural entre as ações da SCC/MinC com projetos no Reino Unido por meio do programa Pontos de Contato.

No dia seguinte, o secretário acompanhou o ex-ministro de Cultura Gilberto Gil em uma série de atividades, para, na sexta-feira 23, encerrar a viagem com uma reunião com representantes de organizações não-governamentais que trabalham com arte e questões sociais no Reino Unido, ampliando o debate sobre políticas públicas relacionadas ao tema e revelando mais detalhes sobre o trabalho do MinC junto aos Pontos de Cultura.

O Festival Brazil também levou a Londres diversos artistas brasileiros, como os cantores Gilberto Gil e Maria Bethânia, os designers Fernando e Humberto Campana, o artista plástico Ernesto Neto e o escritor Milton Hatoum.

fonte: MinC/SCC

news from london

Nosso amigo, diretor do Entelechys Arts, de Londres, David Slater manda notícias e fotos, que nos emocionaram muito. Ele fez uma linda “caixa da memórias” para contar a sua experiência no Brasil. 

Dear friends,

Yesterday was the day of my Little Box of Memories performance to the older performers. We all met in our office and had tea and coffee and cakes. The Box of Memories was such an exciting way for me to share my stories experiences of my visit to Brazil. Everyone is looking forward to our two companies working together. There are many little ways in which the spirit of Londrina is changing the way that we work here in London. Next week we are having a planning meeting with the older artists cooking and bringing different food dishes for a shared meal. So in these gentle ways we all become a little more Brazilian!

Chilled skin…

 Karla Pinhel Ribeiro 

http://culturadigital.br/inteacoesesteticas/

Esse bem podia ser o sentido durante as atividades do programa de Intercâmbio Brasil – Reino Unido da ação Interações Estéticas. Há começar no Seminário realizado no Ministério da Cultura no Rio de Janeiro, onde as boas vindas aos 27 gestores e artistas ingleses foram de arrepiar…

Em Fortaleza, como parte da programação da Teia Brasil 2010 – Tambores Digitais também arrepiou…

Em Londrina, numa imersão maior e um aprofundamento mesmo da vivência, da experiência a residência artística do Diretor David Slater, do Entelechy Arts de Londres, no Ponto de Cultura Casa de Fases foi como poderia se dizer – mais do que perfeito. O Grupo de Teatro Cia. Fase 3, que deu origem ao Ponto de Cultura muito bem articulado com a rede local num verdadeiro laço em redes, assumindo uma identidade, com a Universidade, com a comunidade, com os artistas. É espantoso o talento do Grupo Cia. Fase 3. O próprio Ponto de Cultura Casa das Fases, localizada numa residência na Rua Lindóia, é aconchegante e criativo. Foi lá que me ocorreu repensar a estética caipira. O dramaturgo da Cia. Fase 3, Rique Bernardi,  pode ser considerado um dos maiores e mais sensíveis nome do teatro contemporâneo, escreve uma história que é vida com a poesia vinda daquela profundidade do olhar que vê a alma humana. Elogios não lhe faltam, há mais de 20 anos fazendo teatro no sul do país é chegada a hora do inevitável reconhecimento de um trabalho bem feito. Lindo! As atrizes da Cia. Fase 3 são um espetáculo a parte, a exemplo de Jandira Testa e Carmen Mattos. Seus semblantes, projetados na grande tela lembram aquelas faces das divas do cinema dos anos 30-40, tal como as divas do cinema são atemporais. Suas performances e sua culinária sofisticada e pura ao mesmo tempo fazem nos pensar o que é ser caipira? É mesmo uma busca pela ontologia e a experiência de ser caipira… Esse povo tão incompreendido… Toda essa caipirice no melhor sentido do termo, algo de sofisticação, fineza e paz. A artista residente Ela, que há mais de 5 anos faz o figurino da Cia. Fase 3 se considera aprendendo ainda. E Fabrício, que coordena o Ponto de Cultura, produz, faz técnica, pernas de pau, tudo o que é preciso para que tudo seja perfeito. Saudades, minha caixa de memórias agora está cheia delas, e perseverante espero encontrá-las mais 5 vezes no mínimo esse ano. O working in progress Equal deve estar na programação do Circuito Interações Estéticas que estréia neste segundo semestre.  Um espetáculo de sensibilidade e de interrogação sobre a identidade, sobre ruptura e separação e também sobre a morte. A profundidade do texto e da interpretação, aliada ao cenário e ao figurino, isso sem falar na trilha sonora de primeiríssima qualidade. É show!David Slater é claro, ficou encantado. Ele convidou a Cia. Fase 3 para participar com uma peça nas Olimpíadas de Londres em 2012. Pretendem talvez fazer algo de Shakespeare, para o Festival Shakespeare, promovido pela Real Company of Shakespeare, conhecida por ser a melhor e maior companhia de teatro do mundo, outra parceira do programa Pontos de Contato: Intercâmbio Brasil – Reino Unido.  E um relacionamento que se propõe serem pelos próximos  3 anos ou quiçá outros mais

karla pinhel e david slater num bate papo com as atrizes jandira e carmen