sister companies

 

The Little Box of Memories pilot project is inspired by the methodology of Entelechy’s Brazilian sister company Casa Das Fases. Older performers from Entelechy have built little portable theatre boxes which contain objects that act as prompts to stories from people’s childhoods in the 1940s and 50s. It’s an extremely portable and engaging form of one-on-one theatre. The elders company have been trying out the idea giving performances in local primary schools, Bellingham Summer Fete and in The Clore Ballroom at Southbank Centre.

“A wonderful and unique contribution to the life of our school. It was brilliant. It was fantastic.”

 

Pontos de Contato – Brasil e Reino Unido

Durante 15 dias, o diretor João Henrique e diversos artistas de Pontos de Cultura do Brasil tiveram a oportunidade de realizar um intercâmbio cultural com grupos de artistas ingleses. A Casa das Fases iniciou uma troca com o grupo do sul de Londres, o Entelechy. Reproduzimos abaixo, as falas de David Slater – diretor do Entelechys Arts e de João Henrique Bernardi – PC Casa das Fases, que encerraram o encontro, promovido no Reino Unido.

Slater (UK) foto: Ratão

“Entelechy ‘s meetings, conversations and encounters with Casa Das Fases has re-energised us as a company. It has given us the courage to re-imagine ourselves; the courage to place ‘the human’ at the centre of all that we do.

Ricocheting  from the visit there have been three ideas:-

In Brazil we learnt of the process of ‘uncovering’ . In London we have started that process in our own neighbourhoods, building connections with invisible and isolated groups people meeting desperate for connection, recognition and new experience. We have the courage to embark on these adventures both knowing and not knowing what we are doing: the process of ‘deep hanging out’ Listening, absorbing, finding connection.  And so our creative family grows new voices and networks are woven into the journey.

The Brazilian exchange has made us think more about ideas of ownership and belonging. In strategic meetings with our members we have swapped the flip carts for rice and chicken. Creative planning and policy is increasingly fixed over communal meals-groups contribute both ideas and food. It has reconnected us with the domestic; with the everyday. This has dramatically increased participants capacity/ their agency to articulate, to champion and advocate for the practice. Our elders company now engage in face to face meetings with funders. They have raised 65k in the last 6 months.

Most importantly we have exchanged ways of working – We bought a methodology back from Brazil; a simple and beautiful idea. Little Boxes of Memories. A shoe box, transformed, hangs around a person’s neck . The box contains objects; the objects embody fragments of a narrative, a episode, an experience in the tellers life. I used the box to tell the story of my own journey to Brazil. Our elders company made their boxes and walked out with their stories to schools, old people’s groups, to the Southbank centre. We swapped experiences with elders in Londrina, photographs of London and Londrina. Shared points of contact, currency and exchange.

From Casa das Fases we have learnt a new language: new terms for collaboration and engagement. Our companies have flirted together. We have started to date. We are now walking out together. So we arrive at this dangerous point: the conversation about commitment. We can see a future. We have plans. We have been exploring ways of using digital technology to enable 80 yr olds in Londrina to work creatively making new art works with 80 yr olds in London. We are planning a joint production of The Tempest. Already company members are having detailed negotiations with their cardiologists about safe routes from Heathrow to Rio. Of course it’s early stages. But it has begun. The first words that greeted me in Londrina were: “Welcome to our dream”.  So for Entelechy and Casa Das Fases the Points of Contact programme between Londrina and London has created a new dream; a shared dream. The journey continues”.

(David Slater 17/10/2010)


Bernardi (Brasil) foto:Ratão

“Humanidade, este trabalho dos Pontos de Contato.

De repente éramos estranhos, de repente não somos mais, estamos contactados. Teia, troca, (feed back). Nos tornamos os novos “antropófagos”, nos alimentamos e nos oferecemos como um banquete, idéias, visões e sonhos.

Quem nos percebesse correndo por aí, poderia nos chamar de loucos. Mas, acima de tudo loucos de paixão pela arte salvadora. Salvar a humanidade e a resistência de ser humano é um longo caminho, mas como não o fazer. Se os olhos brilham, se os braços são quentes, as pernas querem chegar e até antes.

Porém, meus caros, há dor e haverá tempestades, estaremos ora à deriva, ora em pelo gozo da terra firme.  Assim é a coisa de viver. Ânima necessita de liberdade, que depois disso tudo, que já não tem volta, façamos a revolução dos “diferentes iguais” .

(João Henrique Bernardi, 17/10/2010)

Casa das Fases and Entelechy: the boat adventure.

David Slater, Diretor do Entelechys Arts, organizou um agitado e emocionate plano de trabalho para a residência artística do diretor da Casa, João Henrique.

Na foto, os atores de David apresentam a performance “The Big Chair Dance” em um barco pelo rio Tâmisa em Londres para o artistas e convidados do Programa Pontos de Contato .

Pontos de Cultura na Inglaterra

A experiência dos Pontos de Cultura foi apresentada à comunidade inglesa, com a participação do secretario de Cidadania Cultural, SCC/MinC, TT Catalão, outras autoridades e integrantes de Pontos de Cultura, no Festival Brazil.

O Festival ocorre no South Bank Centre, um dos maiores centros culturais europeus, em Londres (Inglaterra), até 5 de setembro, com ampla programação.

Em matéria publicada no jornal “The Guardian”, o projeto dos Pontos de Cultura foi destacado como “o que o Brasil tem para ensinar aos britânicos sobre arte” e “idéia audaz que fortalece as comunidades”.

Entre as palestras do Festival, na quarta-feira 21,  a mesa “O Ponto de Cultura: Imaginação à Serviço do Povo” desvelou o trabalho de criação de uma rede social de projetos culturais, o que caracteriza o trabalho desenvolvido pelos Pontos de Cultura.

Pontos de Contato

O secretário TT Catalão participou da mesa, com o diretor do Centro de Programas Integrados da Funarte, Tadeu di Pietro; o professor e diretor da ONG People’s Palace Project, Paul Heritage; e outros convidados. Heritage é parceiro dos Pontos de Cultura e promove intercâmbio cultural entre as ações da SCC/MinC com projetos no Reino Unido por meio do programa Pontos de Contato.

No dia seguinte, o secretário acompanhou o ex-ministro de Cultura Gilberto Gil em uma série de atividades, para, na sexta-feira 23, encerrar a viagem com uma reunião com representantes de organizações não-governamentais que trabalham com arte e questões sociais no Reino Unido, ampliando o debate sobre políticas públicas relacionadas ao tema e revelando mais detalhes sobre o trabalho do MinC junto aos Pontos de Cultura.

O Festival Brazil também levou a Londres diversos artistas brasileiros, como os cantores Gilberto Gil e Maria Bethânia, os designers Fernando e Humberto Campana, o artista plástico Ernesto Neto e o escritor Milton Hatoum.

fonte: MinC/SCC

Pontos de Contato: Intercâmbio Cultural Brasil/ Reino Unido

A Secretaria de Cidadania Cultural do Ministério da Cultura, SCC/MinC, em parceria com  a  organização britânica People’s Palace Project (Queen Mary, Universidade de Londres), e o Departamento para Cultura, Mídia e Esporte da Grã-Bretanha, anuncia a divulgação dos Pontos de Cultura selecionados para o programa Pontos de Contato , que prevê a realização de residências artísticas para os representantes dos pontos selecionados junto à diversas instituições culturais do Reino Unido. A lista é composta por 13 selecionados e dez suplentes, de todas as regiões do Brasil.

intercambio_2.jpg

As residências artísticas dos Pontos de Cultura na Grã-Bretanha acontecerão entre os dias 6 e 21 de outubro de 2010, concluindo um processo de intercâmbio cultural nos mais diversos níveis ao longo do ano, que incluiu a realização de um grande festival da cultura Brasileira no South Bank Centre com grandes nomes do cenário cultural do Brasil, e a participação de gestores públicos do MinC em um seminário sobre políticas culturais em Londres, em julho.

A realização destas residências  artísticas potencializam o processo de internacionalização da experiência dos Pontos de Cultura e representam uma importante iniciativa no sentido de fortalecer laços de cooperação, colaboração e solidariedade entre os países, além de contribuir para que os pontos de cultura desenvolvam iniciativas próprias de intercâmbio, parceria e compartilhamento de experiências  internacionalmente.

As residências artísticas dos representantes de pontos de cultura no Reino Unido são a segunda etapa do projeto Pontos de Contato. A primeira etapa consistiu na recepção de representantes de instituições culturais britânicas que vieram ao Brasil entre março e abril deste ano (foto), participaram da TEIA 2010, e depois se espalharam pelo Brasil desenvolvendo atividades de intercâmbio, colaboração e residências artísticas em diversos pontos de cultura do país

Processo de seleção

O processo de seleção e escolha dos representantes dos pontos para participação nas residências, que levou em conta este processo de continuidade,  foi feito através de uma chamada pública para apresentação de propostas, divulgada através do site do MinC e das redes dos pontos de cultura na internet. Em uma semana, recebemos cerca de 150 inscrições de pontos de cultura de todo o país, o que comprova a relevância e o alcance da iniciativa. O processo de avaliação envolveu os parceiros britânicos e brasileiros do projeto Pontos de Contato, e foi norteado pelos seguintes critérios:

– Participação na primeira etapa do projeto: aqueles pontos e representantes que tiveram uma participação efetiva e enriquecedora na primeira etapa, que consistiu na  recepção e acompanhamento aos participantes ingleses do projeto no Brasil em março e abril de 2010,  foram considerados prioritários para seleção.

– Linguagens artísticas: Foram selecionados prioritariamente artistas e/ou pessoas que desenvolvem processos e produtos culturais inovadores, pois se trata de um projeto de intercâmbio voltado especificamente para residências artísticas.

Segue a lista dos artistas/ representantes dos pontos de cultura  selecionados, que serão contactados posteriormente pela coordenação do projeto. Foram selecionados também 10 suplentes, que serão convocados a participar das residências em caso de desistência ou impedimento de algum dos selecionados. Segue abaixo a relação completa de selecionados e suplentes:

Selecionados:

1 – Marcio Bello dos Santos – PC Tambores do Tocantins – TO
2 – Cleyton José da Silva (Guitinho da Xambá)- PC Casa Xambá – PE
3 – Fabiano Santos – PC Alafyn Oyó – PE
4 – Vinício de Oliveira – Teatro Vila Velha – BA
5 – Ana Duque de Mello – Spetaculu – RJ
6 – Romana Naruna Vieira – Nos Trilhos do Teatro  – PI
7  -Gabriel Ajala – Bolha de Sabão – SP
8 – João Henrique Bernardi – Casa das Fases – PR
9 – Elke Erika Rettl – Palavras Visíveis  – RJ
10 – Sheyla Yassue Yatsugafu – PIM – RJ
11 – Lucilene Cruz – Grãos de Luz e Griô -BA
12 – Claudio José Moreira Da Silva – Orquestra Sertão – PE
13 – Nelson Haas – Bonecos Canela – RS
14 – Yara Toscano – Educandário da Cultura – SP
15 – Rachel Callai Bragatto – Kuai Tema – PR
16 – Aline Nascimento Guimarães – Rede Moinho – RJ
17  – Fábio Carvalho – Manguerê – ES

Suplentes:

1-Carla Alves da Silva – Hip Hop em Ação – SP
2-Anselmo da Costa Parabá – Mandala Mão Amiga – MT
3-Francisco do Valle Cardoso – Ponte Teatral – AM
4-Afonso Fernando Alves de Oliveira – pontão Canavial – PE
5-Thiago Sales – Ponto Cine – RJ
6-Edmar Luiz de Souza – Aprendendo e Fazendo Arte – CE
7-Mariana Di Stella Piazzola – PC Vila Buarque – SP
8-Nelson Brum Motta – Pescadores de Cultura – SC
9-Marcos Antônio Pardim – Fasam – SP
10-Juliano Souza Fortunato – Escola de cultura de Acari – RJ

Fonte: SCC-MinC

O início de uma amizade entre Londres e Londrina

David Slater, diretor do grupo inglês Entelechy Arts, visita a cidade para conhecer o trabalho da Cia. de Theatro Fase 3. Grupo londrinense deve estrear peça no Filo

 

David Slater, diretor do grupo inglês Entelechy Arts, está em Londrina para conhecer o trabalho da Cia. de Theatro Fase 3. O intercâmbio é promovido pelo Ministério da Cultura, através do projeto Pontos de Contato – Intercâmbio Cultural Brasil – Reino Unido.

Sem dúvida, há pontos de contato entre os grupos de Londres e Londrina. O Entelechy Arts foi criado há 20 anos; a Fase 3, há 24. Ambos trabalham com artes cênicas. Ambos reúnem pessoas com mais de 60 anos que não tiveram experiência teatral anterior. Ambos têm integrantes de diferentes gerações e origens sociais. Não foi por acaso que, ao entrar na Casa das Fases, sede da Cia. Fase 3, Slater disse: “Parece que estou chegando em casa!”

O diretor chegou no dia 1º e ficou bem impressionado com o ambiente da Casa das Fases, que há oito meses está em novo endereço, na Rua Lindóia, Jardim San Remo. “Eu gosto da ideia de se fazer teatro numa casa. Aqui há uma combinação de teatro, hospitalidade e intimidade”, comenta Slater.

No sábado, Slater assistiu a um ensaio da peça Iemanjá de São Saruê, que deve estrear em junho, na programação do Filo 2010. “A peça fala sobre a solidão. É a história de uma mulher que perdeu seu marido – um pescador – e tem recordações sobre ele”, conta Slater. O britânico conseguiu entender o enredo da peça por dois motivos: a expressividade do elenco e a tradução simultânea feita pela neta da atriz Carmen Mattos. “Mesmo sem a tradução, eu sentiria a força do trabalho.”

Há dois anos, a Casa das Fases é um dos 2.500 Pontos de Cultura patrocinados pelo governo federal. A similaridade entre os trabalhos do Entelechy Arts e da Cia. Fase 3 proporcionou o intercâmbio. Sediado na região sul de Londres, o Entelechy realiza trabalho com pessoas idosas de diversas comunidades locais. São pessoas com origem britânica, caribenha e africana – e que dificilmente teriam oportunidade de se conhecer na vida cotidiana. “Nosso grupo é um local de encontro para essas pessoas”, diz Slater.

Para Jandira Testa e Carmen Mattos, a Casa das Fases é até mais do que um ponto de encontro. Já faz parte da vida delas. Jandira, atual presidente da Casa, está no grupo há 22 anos. Carmen entrou na Fase 3 em 2000, quando a companhia apresentou uma elogiada versão da tragédia Antígona, de Sófocles, durante o Filo. “Nunca tinha feito teatro na minha vida. Meu último emprego havia sido de secretária numa clínica médica. Pensei que iria morrer de vergonha de subir no palco. Mas me senti muito à vontade. Quanto tempo eu perdi por não ter feito isso antes!”

O depoimento de Carmen é bastante parecido com as declarações dos participantes do Entelechy Arts, em Londres. Um deles afirma, no site do grupo: “Estou muito orgulhoso de mim mesmo. Eu nunca havia feito algo assim antes.”

Pela semelhança entre as duas realidades – em Londres e Londrina –, David Slater acredita que este “é apenas o início de uma grande amizade”.

(Paulo Briguet – Jornal de Londrina – publicado dia 6/4/10)

Casa das Fases recebe David Slater, diretor do Entelechys Arts, de Londres

 

De primeiro a oito de abril, a Casa das Fases realizará um intercâmbio com o grupo ingles Entelechys Arts http://www.entelechyarts.org .

A sede do grupo está localizada ao sul de Londres e há 18 anos realiza um trabalho que une através do teatro, dança e vídeo diferentes grupos como idosos de diversas comunidades, jovens, pessoas com deficiência mental e pessoas de diferentes origens culturais e sociais.

David conhecerá o trabalho realizado pela Cia de Theatro Fase 3  e inicia um processo de intercâmbio do Brasil com o Reino Unido chamado” Pontos de Contato”. Neste primeiro momento, 12 instutições inglesas visitarão Pontos de Cultura de todo o País para uma troca de experiências com os grupos brasileiros. Slater visitará outros Pontos de Cultura da região como o Vivenciando a Cultura, Londrina; Malha Cultural, Cambé, e  Pólo APAC em Sertanópolis. 

http://www.cultura.gov.br/site/2010/03/23/pontos-de-contato-intercambio-cultural-brasil-reino-unido/