Teatro para se sentir mais vivo e ativo na terceira idade

Imagem

Em Londrina, projeto busca promover a autoestima e o autoconhecimento de idosos por meio da cultura e da socialização

Publicado em 21/05/2014 | ANTONIELE LUCIANO, DA SUCURSAL

Um palco improvisado e exercícios para o corpo e a voz. Esta é a receita que participantes das oficinas teatrais do grupo Casa das Fases – Núcleo de Arte e História com Senhoras e Senhores, de Londrina, adotaram para se sentir mais ativos. Voltada a ações culturais com pessoas com mais de 60 anos, a companhia está promovendo aulas em Centros de Convivência do Idoso (CCIs) da cidade a partir de recursos do Ministério da Cultura (Minc) e uma parceria com a Secretaria Municipal do Idoso.

O grupo venceu recentemente um edital do Prêmio Asas – Cultura Viva, do Minc, e recebeu R$ 80 mil para realizar o projeto. Além da produção teatral, a iniciativa conta com cineclubes e prevê curso de coral, rádio web e curta metragens sobre a história dos participantes. Os ensaios teatrais começaram em março e já reúnem cerca de 50 pessoas de centros de convivência dos Jardins da Luz e Bandeirantes.

A cada oficina, os idosos têm a oportunidade de aprender não só técnicas teatrais, mas, sobretudo, de se socializar. “Tem toda uma integração entre eles, até a hora da fofoca”, comenta o diretor do Casa das Fases, João Henrique Bernardi. Ele diz que, embora o projeto seja novo, já é possível visualizar mudanças positivas entre os alunos. Há desde quem descobriu no teatro uma oportunidade para perder a timidez àqueles que fizeram novos amigos. “É como se despertassem para a vida”, pontua.

Foi aos 79 anos que a professora aposentada Maria Napolitana Gonçalves retomou o prazer de fazer teatro, deixado ainda na juventude, quando ela vivia no interior paulista. Inscreveu-se para as oficinas logo que soube da abertura de vagas. “O teatro é muito bom, dá mais firmeza, desenvoltura. Também conheço muita gente nas oficinas, trocamos receitas”, confidencia.

A colega Carmen Mattos é adepta do teatro há 14 anos e, junto com o Casa das Fases, se apresentou em diversos países ao longo deste período. “Quando comecei, achava que não iria dar certo. Mas fui gostando e hoje isso faz parte da minha vida. Tenho 82 anos e não me sinto com essa idade, me sinto útil para ajudar pessoas, mostrar que a vida é boa em qualquer idade”. Os participantes dos CCIs se preparam para apresentar a primeira peça em outubro, na Semana do Idoso.

Oportunidade

Ações do projeto unem lazer e valorização do idoso

As ações culturais com a terceira idade representam uma oportunidade de lazer, mas também de prevenção. “A espontaneidade, a socialização entre eles, o cuidado com a família, a aparência, tudo é reflexo do trabalho. Isso ajuda na saúde mental e física deles. A proposta é que se ocupem, se alegrem, se sintam pertencentes a um grupo”, define a assistente social da Secretaria Municipal do Idoso de Londrina, Maria Ângela Santini.

Para ela, quando o idoso encontra referência em um grupo, a tendência é de se sentir mais valorizado. Isso segue na contramão do movimento que a própria sociedade costuma fazer em relação à terceira idade. “O idoso tem de ser o primeiro a reagir à ideia de exclusão. O projeto do Casa das Fases vem para quebrar isso”, diz.

A expectativa é de que a iniciativa possa ser estendida mais adiante para outros centros de convivência do idoso (CCIs) de Londrina.

fonte:http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?id=1470272&tit=Teatro-para-se-sentir-mais-vivo-e-ativo-na-terceira-idade