YOLANDA CALABOCA NA MOSTRA DE TEATRO CONTEMPORANEO DE MARINGA

 Image

“Yolanda Calaboca”: atravessando as fronteiras entre a lembrança e a imaginação

“Yolanda Calaboca” é um trabalho desenvolvido pelo Cia Casa das Fases – Núcleo de Arte e História com Senhoras e Senhores, de Londrina, que traz à cena um monólogo realizado pela atriz Carmem Mattos, de 82 anos. O espetáculo apresenta ao público um cenário que logo traz à tona seu tema: memória de uma vida vivida. Fechado por uma cortina de tule que era aberta lentamente pela própria atriz que entrava em cena carregando uma mala, o palco revelava uma colcha de renda que formava uma espécie de “casa-cabana” e alguns objetos que remetiam ao tempo passado: uma máquina de costura, um ferro antigo e um ventilador velho. Segundo a Cia, uma pesquisa sobre a velhice e a loucura deu origem ao espetáculo.
Se o monólogo trazia poucas falas, no entanto, o cenário, os gestos e a trilha sonora conduziam o espectador pelos labirintos de uma memória que, não sem perturbação, revelava as perdas de uma vida. Entre elas, um aborto – simbolizado por uma cena em que a personagem retira de dentro da blusa um tecido vermelho – que ainda reverberava vivamente na memória como aquilo que poderia ter sido e não foi. Não só na memória e nem só no pano vermelho, no entanto, estavam as marcas dessa desilusão. O vestido de tule perolado e envelhecido da atriz trazia em sua saia vários bonecos de pano pendurados.  Também a sua mala continha um boneco em tamanho real – como um peso a ser carregado ao longo do percurso. Era este boneco, agora, que, tido como filho, lhe acompanhava na tentativa de prosseguir com uma vida que não mais passível de ser recomeçada, buscava, em cena, reconstruir-se atravessando as fronteiras entre a lembrança e a imaginação.
Um pano colorido com a imagem de Nossa Senhora Aparecida pendurado em um varal e frases que remetiam a religião possibilitavam ao espectador inferir uma espécie de culpa da personagem diante das atitudes cometidas. A cor vermelha do seu batom, do seu esmalte, do pano e do guarda-chuva era presença forte no palco e contrastava vivamente com a palidez e o apagamento do restante do cenário e do figurino, ambos bege perolados. O contraste das cores pareceu enfatizar a vivacidade do tempo passado (ainda presente) no tempo atual, marcado pelo apagamento.
Os elementos dispostos em cena tornavam-se, assim, os responsáveis por comunicar simbolicamente as sensações e os sentimentos que às lembranças – doloridas e chocantes – calavam.  Somam-se a eles as expressões oscilantes e os movimentos da personagem que gargalhava, dançava com seu boneco, fumava um cigarro, abraçava a mala, segurava o guarda-chuva em uma chuva imaginária… A fragmentação das cenas refletia uma subjetividade também fragmentada que compunham verossimilmente o descompasso da loucura. O espetáculo é também uma homenagem a uma das atrizes pioneiras da Cia, Jandira Testa que, a princípio, também fazia parte da montagem e que faleceu no ano passado, mas concretiza-se como uma homenagem à vida e suas dores e, portanto, “à vida, apenas, sem mistificação”, para usar as palavras de Drummond.
Camila Hespanhol Peruchi faz parte do grupo de Crítica Literária Materialista da Universidade Estadual de Maringá.
Fotos: Rafael Saes

fonte: http://mtcontemporaneo.blogspot.com.br/2013/11/yolanda-calaboca-atravessando-as.html?spref=fb 

Anúncios

Casa das Fases abre temporada de ‘Yolanda Calaboca’

 
Divulgação
Uma pesquisa sobre solidão e velhice resultou na montagem do espetáculo “Yolanda Calaboca”, que a Cia Casa das Fases apresenta de hoje ao dia 27 de outubro na sede do grupo na primeira temporada da peça após a estreia na Dinamarca e em junho no Brasil durante o Filo (Festival Internacional de Londrina). 

As sessões serão às sextas e sábados às 20h e aos domingos às 19h, sempre com entrada gratuita. A produção tem 30 minutos de duração e traz um monólogo da atriz Carmen Mattos, 82 anos, que interpreta uma mulher mergulhada em lembranças e memórias – algumas doloridas, algumas chocantes. 

O produtor do grupo, Fabricio Borges, explica que a peça foi concebida para um elenco de duas atrizes. “Originalmente não era um monólogo. Na fase de ensaios, porém, perdemos a Jandira (Testa) e estamos de luto até hoje”, diz ele. A morte da atriz, que atuou durante vários anos na companhia, acabou conferindo um cunho de homenagem ao espetáculo. 

No ano passado, o grupo levou a peça para a Dinamarca como convidado do VII Transit Festival, promovido pelo consagrado Odin Teatret, de Eugenio Borba. A viagem foi viabilizada com recursos do Ministério da Cultura. Já a temporada da peça tem patrocínio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic). “Serão 15 apresentações ao todo”, informa Borges. As sessões são para 20 pessoas. 

Serviço:
Espetáculo “Yolanda Calaboca” com a Cia Casa das Fases
Quando – De hoje a 27 de outubro, às sextas e sábados às 20h e aos domingos às 19h
Onde – Casa das Fases (R. Lindóia, 546, Jardim San Remo), em Londrina
Ingressos – Gratuito
Informações e reservas – (43) 3304-8757 e 9807-6454

Nelson Sato
Reportagem Local
 
 

Casa apresenta Yolanda no FILO e abre sessao extra no domingo

ensaio3 058

A Casa das Fases apresenta no dia 30 e 31 de agosto a peça “Yolanda Calaboca” dentro da programação do Festival Internacional de Londrina – FILO. Devido ao número limitado de pessoas por sessão (20), os ingressos da bilheteria estão esgotados.

No dia 1 de setembro, às 19 horas, a Casa realiza uma sessão extra (fora da programação oficial) para convidados. Os convites são gratuitos e podem ser reservados pelo email: casadasfases@gmail.com, ou pelo telefone 9807.6454.

Yolanda Calaboca tem o patrocínio do Programa Municipal de Incentivo a Cultura de Londrina (PROMIC)

Serviço:

30 e 31 de agosto | 20 horas

1 de setembro | 19 horas (gratuito)

Casa das Fases  (Rua Lindóia, 546 – Jd. San Remo)

Clique AQUI para localizar no mapa.